Páginas

terça-feira, 21 de março de 2017

Palestra apresenta como inovar e superar a crise

Por Sýndreams

“Inovar deixou de ser diferencial e passou a ser obrigação!”. Foi assim que Sandra Elisabeth, mentora da Sýndreams deu início à palestra “Criando na crise”, na noite da última terça-feira dia 14/03, no Event Empretecos de Americana que aconteceu no SENAI da mesma cidade. A palestrante apresentou os principais conceitos e mostrou como uma boa ideia, aliada ao conhecimento do que o cliente precisa, pode gerar produtos e serviços inovadores.


De acordo com dados apresentados na palestra, a inovação deixou de ser responsabilidade única e exclusiva do setor de P&D e passou a ser obrigação da empresa como um todo.

“Inovação é basicamente a exploração com sucesso de novas ideias. E para garantir que as novas ideias gerarão retorno financeiro, se faz necessário validá-la no mercado. Por isso não dá para falar de inovação sem falar de Lean Startup e MVP”, enfatizou Sandra Elisabeth, que acredita que a tecnologia está acelerando as coisas.


“Quando falamos em inovação de modelo de negócios, isto pode representar uma oportunidade no mercado. Atualmente, as empresas e pessoas que tenham ideias inovadoras podem contar com uma ampla cadeia de entidades e instituições que apoiam estas iniciativas, como o PIPE da FAPESP, por exemplo”, explicou.


Entre os diferenciais, para que as empresas se destaquem como inovadoras; Sandra Elisabeth reforçou que o mercado necessita de empresas que conheçam bem as necessidades de seu público-alvo. “O mercado está carente de empresas que saibam o que seus clientes realmente precisam. É bom ficar atento aos novos padrões de consumo que estão surgindo e sendo redefinidos constantemente no mercado”, destacou.

terça-feira, 14 de março de 2017

Mais um grande mito sobre empreendedorismo:

Engenheiros não sabem empreender...

Por Sandra Elisabeth


É interessante ouvir os paradigmas sobre empreender… A última que ouvi é que os engenheiros que resolvem empreender quebram nos primeiros 2 anos, e que isso só não acontece se eles forem estudar administração…

É claro que saber administrar é importantíssimo, porém é necessário compreender qual é a vocação desse engenheiro, o que ele gosta de fazer ou o que ele faz de melhor???

Dizer que a empresa quebrou porque ele não soube gerir é simples, mas será que foi a gestão ou foi a ausência de inovação no produto ou serviço entregue?


O que eu faria se fosse um engenheiro desejando empreender e tivesse dificuldade em gerir??? Simples, encontraria um sócio que gostasse de administrar, que fosse um administrador “nato”.



Assim eu poderia focar naquilo que realmente gosto! Desenvolver um ótimo produto ou serviço, inovador e que atendesse as necessidades e desejos dos clientes e a parte “chata” ou “burocrática” deixaria para meu sócio administrador!

Pronto! Problema resolvido!

Porque criar tantos entraves e dúvidas na cabeça das pessoas sobre a dificuldade de empreender? Todos sabemos que não é fácil, porém não é impossível.

E um recado para os engenheiros: 90% das Startups são criadas por ENGENHEIROS. Em todos os eventos de Startups a maior parte dos participantes são engenheiros, nas reuniões com associações empresariais que participo, a maioria dos empresários são engenheiros… Então não sei de onde tiraram a informação que os engenheiros que resolvem empreender quebram nos primeiros 2 anos!!!!! De qualquer forma, fica a dica: encontre um sócio que possa te ajudar!

Boa sorte! Bons negócios!

terça-feira, 7 de março de 2017

Preciso de dinheiro para empreender?

Por Sandra Elisabeth

Recentemente um aluno me abordou afirmando que tinha muita vontade de empreender, porém que os investimentos iniciais eram muito altos e que isso o impedia de seguir em frente!

Este é mais um dos paradigmas existentes sobre empreender. Quem disse que precisamos ser milionários para construirmos uma empresa de sucesso?


Veja a história dos grandes empreendedores: Henry Ford não era milionário, porém foi o primeiro a pensar na linha de produção e produção em massa, e hoje todos conhecemos sua empresa a Ford Motors.

Muitos vão dizer que essa é a exceção, eu digo que essa é a regra.

Conheço muitas histórias de empreendedores que começaram do zero, ou do menos um... Pessoas que começaram a empreender quando perderam o emprego e não tinham dinheiro para investir.

Eu moro no interior de São Paulo, na região de Americana, um dos maiores polos têxteis do país. Na década de 90 vi muitas tecelagens fecharem devido a importação, porém vi muitos ex-funcionários, que foram mandados embora, muitos sem receber nenhum tostão (devido a situação das empresas), construírem grandes confecções e marcas de moda!

Talvez porque estes empreendedores não saíram na capa da Forbes Americana os mais jovens ainda acreditam que para começar um negócio é preciso ter dinheiro, e muito!


Concordo que estas pessoas não ficaram bilionárias ou milionárias, mas realizaram algo muito importante para elas e para a cidade onde vivem. Geram emprego, renda, pagam impostos e vivem do que construíram com muito trabalho, suor e INOVAÇÃO.

Então, para quem acredita que para empreender precisa-se de dinheiro afirmo que a experiência tem mostrado que na verdade é necessário conhecimento para inovar.


Estude, conheça seu mercado, desenvolva um bom modelo de negócios, tenha algo inovador para oferecer, acompanhe o crescimento do seu mercado... e quando você validar sua ideia, se ainda achar necessário busque um investidor anjo!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Sandra Elisabeth realiza palestra na Incubadora de Empresas “José João Sans”

Por Sýndreams


No dia 23 de fevereiro nossa mentora Sandra Elisabeth realizou a palestra Startups, Aceleradoras e Investidores Anjo na Incubadora de Empresas José João Sans de Santa Bárbara D’Oeste.

Criada em 26 de março de 2004 pela Prefeitura e hoje funcionando em parceria com a CIESP, a UNIMEP e o SEBRAE, a Incubadora de Empresas “José João Sans” tem como objetivos:
Daniel Monaro, Gestor Incubadora
e Sandra Elisabeth (Syndreams)
  • Oferecer condições para aumentar as chances de novas empresas;
  • Introduzir novas empresas no contexto socioeconômico local;
  • Desenvolver empresas competitivas;
  • Gerar novos empregos;
  • Fortalecer a economia local;
  • Formar empreendedores;
  • Promover a inovação tecnológica, através de intercâmbios com universidades, institutos e grandes empresas; e
  • Formar empreendedores sintonizados com as exigências de competitividade em uma economia globalizada.
A Incubadora de Empresa oferece aos empresários, além de infraestrutura, serviços de apoio, tais como:
  • Orientação no gerenciamento de negócios;
  • Orientação à comercialização dos produtos;
  • Orientação à exportação;
  • Gestão financeira e de custos;
  • Orientação jurídica;
  • Assessoria na busca de novas tecnologias e informações técnicas;
  • Entre outros serviços.
A estrutura da Incubadora de Empresas é composta por um imóvel dividido em módulos, que servem temporariamente às novas incubadas. Dentro de uma área comum reúne recepção, sala para secretária, sala para reuniões, instalações sanitárias, copa e cozinha. 

Os participantes rateiam entre si despesas comuns, como: energia elétrica, água, telefone, salários dos profissionais que trabalham na Incubadora na ocupação de recepcionista, mensageiro, segurança e limpeza.



Mensalmente a Incubadora de Empresas realiza o “Café com Informação”, um momento de encontro e networking entre empresas incubadas e demais empresários da região, que se reúnem para trocar experiências e discutir assuntos que são pertinentes ao ambiente de negócios.

Para o Café com Informação de fevereiro, Sandra Elisabeth foi convidada para conversar com os empresários e empreendedores sobre o que é uma Startup, o que uma Aceleradora pode fazer pelo negócio e como conseguir um investidor anjo!

Para maiores informações sobre os próximos eventos da Incubadora de Empresas basta entrar em contato pelo telefone (19) 3455-1040 ou e-mail incubadora@santabarbara.sp.gov.br