Páginas

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Nivaldo Silva, mentor da Sýndreams ministra palestra sobre Inovação

O mentor da Sýndreams, Nivaldo J. Silva ministrou palestra sobre inovação utilizando analise de modelo de negócios. 

O evento foi promovido pela Incubadora de Empresas de Santa Bárbara d´Oeste e contou com a participação de empresários e convidados. O objetivo da palestra foi incentivar os empresários (incubados) a melhorarem a forma de apresentação e identificarem melhor o valor que entregam aos seus clientes.

Nivaldo J. Silva é consultor nas áreas áreas de inovação, novos negócios e sucessão familiar. Ministra aulas em cursos de Pós-Graduação em Empreendedorismo, Planejamento Estratégico e Business Model Canvas. Confira mais informações sobre a palestra no blog do consultor Nivaldo Silva.


Repercussão da palestra na imprensa local.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Sýndreams apoiou edição 2014 do Acelera Startup CJE FIESP

O Acelera Startup é um concurso promovido pelo Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e a inovação.

A Sýndreams Aceleradora apoiou edição 2014 do Acelera, onde foram selecionados 190 projetos de empreendedorismo do Brasil nas mais diversas áreas de atuação. Essas startups participaram de dois dias de eventos com palestras, mentorias e avaliação de investidores, que selecionarão as dez melhores e indicaram três finalistas.


Monica Gaydou (Marina Gaydou) e Stéfano Carnevalli (Sýndreams)

Para Stéfano Carnevalli, articulador da Sýndreams, um diferencial do evento é que a maior parte das startups são de diversas áreas além de software e TI. "O evento é muito rico em oportunidades, temos empreendedores da industria, com soluções para Healthcare e também para setores agrícolas. Identifiquei propostas e negócios com grande potencial" conclui.

Para os empreendedores é uma grade oportunidade para melhorar suas ideias e ampliar a rede de contatos. A startup da empreendedora Monica Gaydou foi uma das selecionadas para participar do Acelera. Segundo Mônica, foi uma experiência intensa e de muitos contatos. "Ter sido selecionada entre 1200 startups já foi uma vitória", comenta. A marca Marina Gaydou produz "Chic Baby Bags" (setor de Moda) e está no programa de aceleração da Sýndreams.




Saiba mais:

segunda-feira, 12 de maio de 2014

O que é um Investidor Anjo?

Por Sandra Elisabeth

O Investidor Anjo não é um ser celestial, que surgirá de repente na sua Startup e irá colocar quanto dinheiro você quer no seu negócio, pagar seu salário e no fim das contas transformar você no empreendedor mais rico do mundo!

Não é esse o "trabalho" do Investidor Anjo.
Na verdade, um Investidor Anjo é, segundo a Anjos do Brasil uma "pessoa física que com capital próprio investe em empresas nascentes com alto potencial de crescimento".



Eu grifei a palavra "investe" para deixar claro que o Investidor Anjo não doa dinheiro... ou seja, ele espera retorno do dinheiro que está colocando em seu negócio.

Assim como você pode investir na Poupança ou em Ações da Bolsa de Valores, o Investidor Anjo investe no seu negócio! A diferença básica aqui é que os investimentos feitos em Bolsas de Valores são sempre em dinheiro; já o Investidor Anjo investe nas Startups muito mais tempo e experiência (mentoria) do que dinheiro. E sim, uma Startup precisa muitas vezes mais de mentoria do que de dinheiro.

E quando um Investidor Anjo irá investir no meu negócio?

Antes, um ponto importante a ser frisado é que os Investidores Anjos dificilmente irão financiar o pró-labore dos sócios, afinal se ele (um terceiro) está investindo na sua ideia, porque você não investe também (o que você tem - no caso; tempo)?

Como todo investimento, você precisa dar garantias ao Investidor Anjo, garantias mínimas que o dinheiro que ele colocou na empresa irá retornar para ele - Investidor.
Estas "garantias" muitas vezes são:

  • Equipe: como é sua equipe, quem são os sócios, todos estão comprometidos com a ideia, sabem o que fazer?
  • Modelo de negócios: como você irá ganhar dinheiro com a sua ideia, que valores você oferece ao seus clientes?
  • Validação do produto mínimo viável: você já fez e validou seu MVP, como foram os resultados iniciais?
  • Previsão de retorno: na validação, qual foi sua margem de retorno, ela irá se manter, irá aumentar, irá diminuir?
  • Inovação: sua ideia é inovadora, alguém já desenvolveu algo similar, você é o primeiro?
  • Escalabilidade: seu negócio pode ser replicado facilmente e com alto grau de retorno?

Com estes pontos bem definidos você já tem conteúdo para apresentar um pitch à um Investidor Anjo.

Mas atenção, não saia procurando Investidores Anjos em todos os contos. Procure um que seja da sua área de atuação, que irá compreender seu negócio, sua ideia, que poderá te ajudar com networking, que conhece muito sobre o mercado; isto facilitará a compreensão do seu empreendimento.

E o mais importante: ouça com atenção o feedback que este Investidor Anjo está lhe dando! Não desacredite do seu sonho. Pivote sempre que necessário e siga em frente!




segunda-feira, 5 de maio de 2014

Quando e porque um empreendedor deve procurar uma aceleradora?

Por Sandra Elisabeth


Primeiro, vamos entender melhor o que é uma aceleradora? Uma aceleradora tem como objetivo auxiliar o empreendedor no desenvolvimento de seu negócio, ajudando-o a descobrir como ganhar dinheiro com a oportunidade encontrada. Geralmente, as aceleradoras trabalham com o desenvolvimento de clientes e não apenas com o desenvolvimento de produtos, como acontece nas incubadoras.

As aceleradoras tem uma outra peculiaridade; elas aceleram Startups (se lembram do meu post anterior: O que é uma Startup?), assim nem todas as ideias serão enviadas para uma aceleradora, algumas devem ser apresentadas para incubadoras!

As Startups que procuram uma aceleradora acabam ampliando sua visão de mercado, pois conhecem pessoas (mentores, investidores anjo) que lhes auxiliam no processo de desenvolvimento de clientes.

Assim, uma Startup deve procurar uma aceleradora quando:

  • Perceber uma oportunidade nova no mercado;
  • Desejar tirar uma ideia inovadora do papel;
  • O negócio parou de crescer na velocidade desejada;
  • Busca escalabilidade para o negócio.

Lembrando, que existem alguns pré requisitos mínimos que são exigidos pelas aceleradoras, que são basicamente:

  • Equipe: a equipe precisa se complementar, dificilmente a aceleradora irá trabalhar com um empreendimento de apenas "um homem";
  • Inovação: a ideia precisa ser inovadora, copiar o que já deu certo é fácil... é só copiar! neste caso não há necessidade de uma aceleradora;
  • Escala: o produto ou serviço precisa ter escala, ou seja, posso replicá-lo em qualquer lugar do mundo à um custo variável zero ou próximo de zero;
  • Área de atuação da aceleradora: algumas aceleradoras se aperfeiçoaram em alguns seguimentos, tais como software, economia criativa e healthcare. Certifique-se que seu negócio combina com a área da atuação da aceleradora, assim você evita ouvir um "não" só por isso!!!

Enfim, o maior benefício de uma aceleradora são as mentorias que não dizem o que o empreendedor deve fazer, mas sim mostra-lhes cenários, possibilidades e o faz pensar sobre que decisão tomar. Nas aceleradoras, os mentores tem o papel de conversarem com as startups, mostrarem os caminhos que já fizeram o que erraram e o que acertaram e deixam para os empreendedores pensarem no que fazer e no como. Depois, é só colher os resultados e ir em frente!