Páginas

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sandra Elisabeth realiza palestra na Feira da Empregabilidade na Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara D’Oeste

Por Sýndreams

No último dia 13 de maio aconteceu na Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara D’Oeste a Feira da Empregabilidade. O objetivo deste evento é aproximar quem procura trabalho ou estágio de quem oferece vagas no mercado, além de proporcionar uma programação que auxilia no desenvolvimento da carreira e na ascensão profissional.

Sandra Elisabeth durante palestra na Faculdade Anhanguera
E como empregabilidade é a condição de uma pessoa se manter sempre empregada e constantemente procurada e convidada pelas organizações do mercado. Para se manter a empregabilidade é necessário fazer a gestão da própria carreira assumindo totalmente a responsabilidade de se atualizar e reciclar constantemente.

Nossa mentora, Sandra Elisabeth, foi convidada por Fernanda Celin à palestrar sobre “Startup, Aceleradora e Investidor Anjo” para os alunos e comunidade em geral que busca mais que um trabalho ou emprego: gerar renda para si e para outros desenvolvendo seu próprio negócio.

Sandra Elisabeth e Fernanda Celin
Durante a palestra, Sandra Elisabeth, tirou dúvidas sobre os conceitos de Startups, porque procurar uma aceleradora ou incubadora e também deu dicas de como conseguir um investidor-anjo.

Ficou interessado nas informações discutidas na palestra? Entre em contato conosco (criativa@syndreams.com.br), faça suas perguntas, ficaremos felizes em responde-las

terça-feira, 9 de maio de 2017

O MVP (produto mínimo viável) é um “produto medíocre?”

Por Sandra Elisabeth

Atualmente os empreendedores tem tido muita dificuldade com os prazos estipulados para um aplicativo ou software ficar pronto e ser lançado.


Independente do programador ser sócio da empresa, free lancer, terceirizado, contratado... ou qualquer outro modelo possível, desconheço casos em que o produto final (App ou Software) foi entregue na primeira data combinada.

Tanto é que se a promessa for entregar em 30 dias já esperamos para 60 dias!!!

Até pouco tempo atrás eu (Sandra Elisabeth) acreditava que isso acontecia devido ao preciosismo que os programadores tinham, em querer entregar o melhor MVP possível. Porém, recentemente ouvi o seguinte desabafo de um desenvolvedor: “Todos aqui estão dando o melhor de si e vocês querem que eu entregue um trabalho medíocre? E depois, dirão que não deu certo, ou será preciso refazer por minha C U L P A?”.

Então, a ficha caiu!


Todos os envolvidos em um novo projeto querem que ele dê certo, que exista vendas, que os investidores coloquem dinheiro e por isso se empenham muito, mais muito mesmo para que tudo dê certo! E os programadores / desenvolvedores também querem se emprenhar, no mesmo “nível” para que isso aconteça! Então, enquanto o produto final não ficar o melhor possível eles não consideram pronto...

Eles não estão errados, todos se empenharam... e agora querem que ele seja “medíocres”? Não, eles não serão medíocres e vão querer entregar o melhor do melhor!!!

O que talvez os programadores não saibam é que infelizmente, ou felizmente após o início da Startup e esse esforço gigantesco de todos os envolvidos para o lançamento inicial do MVP, quem vai trabalhar sem parar um minuto será ele (programador), pois os clientes ao usarem o produto desejarão melhorias e essas melhorias serão feitas por ele e pela equipe dele.

Os demais sócios (administradores, vendedores, etc) apenas entregarão ao programador os feedbacks dos clientes... e terão que aguardar as mudanças para continuar...


Resumidamente, como Trías de Bes e Kotler reforçam em “A bíblia da inovação” “os mercados mudam tão rapidamente que não faz sentido esperar até que uma inovação (App ou Software) esteja perfeita, pois ainda precisaremos modifica-la ou melhorá-la no curto prazo”.

Por isso meus queridos programadores, NÃO queremos que vocês sejam medíocres e a “culpa” por mudanças nos projetos desenvolvidos não é de vocês; é do mercado. Por mais que tentemos agradar o cliente não conseguiremos fazer isto na primeira vez. Haverá muitas mudanças, pivotaremos várias vezes até conseguir chegar em um produto final!

E lembre-se que nem até hoje o Windows está pronto!!! Ele até já travou em apresentações públicas de lançamento... E qual é o problema disso acontecer??? A empresa continua tendo muitos clientes, sendo considerada uma empresa inovadora e está tudo bem!


Pensem nisso! O MVP é o produto mínimo viável que me levará a conhecer o que o cliente final deseja de fato e não um produto medíocre!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Concorrente é referencial e não ameaça!

Por Sandra Elisabeth

Na administração ouvimos com certa frequência que concorrente bom é concorrente morto! Mas porque? Porque se não houver concorrente não há referencia, ou seja, o cliente não consegue comparar atendimento, produto, serviço, etc. simplesmente por não haver outro com quem fazer.


Então vamos sair “matando” os concorrentes? NÃO! Pelo contrário, ter concorrentes facilita a comunicação com os clientes, pois eles sabem que existe este produto ou serviço, ajuda a construir mercado, a desenvolver fornecedores, a criar legislações de apoio... enfim é muito mais positivo que negativo.

Agora, se o seu concorrente está te incomodando tanto, já parou para pensar que na verdade o problema é com você? Sim, se seu cliente prefere comprar do seu concorrente o que ele, concorrente, está oferecendo de benefícios que fez o cliente ter esta escolha?

Se é o preço que atraí o cliente, será que seu concorrente conseguiu uma negociação melhor com o fornecedor? Você não conseguiria uma negociação melhor com o fornecedor? Não conseguiria melhorar os processos produtivos para diminuir os custos variáveis?

Se o concorrente está criando comunicações melhores que a sua, não está na hora de trocar de agência publicitária? A responsabilidade é toda sua!

Se o cliente não consegue chegar até você, ou se a localização do seu concorrente é melhor que a sua, já pensou em mudar de endereço? 
Ah, onde você está hoje não paga aluguel, ok... mas o cliente consegue chegar até você? Analise bem.... as vezes vale a pena alugar o seu espaço para um terceiro e com o dinheiro que receber pagar um outro ponto para você!

Agora, se o produto ou serviço do seu concorrente for melhor que o seu... Está na hora de inovar, buscar diferenciações, melhorar, investir em desenvolvimento.

No fim, o concorrente nos ajuda a analisar se o que estamos fazendo é ou não viável. Se atende ou não o cliente! E aí a responsabilidade de mudança é nossa!

Portanto, pare de culpar seu concorrente por você não conseguir vender! Avalie o que está acontecendo e aja no problema!

Não seja como o Homer Simpson, que afirma que “Se a culpa é minha, eu coloco em quem eu quero!”.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Processos inovadores

Por Sandra Elisabeth

Muitas empresas falam de inovação, querem inovar, porém estamos enfrentando um paradoxo!


As empresas só ganham dinheiro se forem eficientes, se aplicarem regras de acordo com seus planos, evitando, na medida do possível, tudo o que for impossível de ser explicado.


Com essa atitude a empresa mantem seus lucros no curto prazo, mas não no longo prazo, pois com o passar do tempo só se mantem no mercado as empresas que tiverem a capacidade de se adaptar a mudanças e levar inovação ao seu setor e mercado.

Então, como fazer isso? Devemos parar de tentar o impossível, de buscar a redução dos custos, de querer inovar para se manter no curto prazo? Ou esquecer o curto prazo e pensar apenas nas estratégias do longo prazo?

Bom, as empresas não vivem apenas do curto prazo, porém se não houver curto prazo não haverá longo prazo.  Assim a melhor opção é “copiar” as empresas mais inovadoras, onde as pessoas designadas para realizar uma tarefa específica relativa a inovação são removidas parcial ou totalmente, das operações diárias.

Pronto, desta forma, haverá colaboradores pensando do dia a dia da empresa, enquanto outros estarão focados no planejamento estratégico inovativo do negócio.


E repito é impossível a até contraproducente ter alguém tentando mudar o modo pelo qual uma tarefa é realizada enquanto se exige que ela a realize de modo eficiente!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Startup acelerada pela Sýndreams participa da Feira AUTOCOM

Por Sýndreams

A Startup Yashar Software, acelerada pela Sýndreams participou da Feira AUTOCOM, que aconteceu entre os dias 04 e 07 de abril em São Paulo.


O principal evento de automação para o comércio da América Latina é a AUTOCOM, que desde 1997 reúne anualmente os maiores nomes da automação para o comércio. E por isso foi muito importante a Yashar participar desta feira.

A Yashar Software levou para a feira a solução Dashen, que é um software completo para a gestão de restaurantes. Desenvolvido em nuvem, além do usuário poder acessar de qualquer lugar, ele é instalado facilmente em um tablete ou celular, sem a necessidade de um desktop!

Sua participação na feira foi possível devido sua parceria com a Kryptus, uma empresa especializada em segurança cibernética, monitoramento, certificação digital e criptografia.


Os mentores da Sýndreams, Sandra Elisabeth e Stéfano Carnevalli visitaram a startup na AUTOCOM e conversaram com um dos diretores da empresa, Eduardo Elias:

Sýndreams: Eduardo, como foi sua participação na Autcom?

Eduardo: Foi muito boa, nos abriu a possibilidade de parceria com várias outras empresas do setor e validou nossa solução para o mercado.

S: Qual a importância desta parceria com a Kryptus na feira?

E: Difícil mensurar o tamanho da importância e da credibilidade que esta parceria nos ofereceu. A Kryptus é uma das primeiras parceiras da Yashar e hoje o Dashen é um software que conversa com as soluções de hardware desenvolvidas pela Kryptus.

S: E agora, quais os próximos passos?

E: Dar continuidade as conversas e parcerias iniciadas na AUTOCOM, para que possamos ter o Dashen  homologado com diversas outras empresas de hardware.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Mentores da Sýndreams tornam-se mentores do programa SP Stars

Os mentores da Sýndreams Sandra Elisabeth e Stéfano Carnevalli agora fazem parte do time de mentores do programa SP Stars.


O SP STARS é um programa de iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Tech Sampa, política de estímulo à inovação e ao desenvolvimento de startups, em parceria com o Ecossistema de Startups de São Paulo.

Os mentores do programa são voluntários, fundadores de startups, aceleradoras, grandes empresas, investidores e agentes do ecossistema de startups de SP.


Para Stéfano Carnevalli esta é uma ótima oportunidade para ampliar os conhecimentos dos empreendedores e auxiliá-los a crescer e a desenvolver novos clientes, principalmente porque as mentorias são realizadas de acordo com as principais dúvidas e problemas que os empreendedores têm.

Os mentores da Sýndreams participaram do segundo e do terceiro encontro para mentorias que aconteceu dia 15 de março e 05 de abril (respectivamente) em São Paulo. Foram 50 startups que receberam mentorias de 3 mentores diferentes, durante 1 hora e meia.


Sandra Elisabeth elogiou muito os projetos apresentados pelos empreendedores e o nível técnico e de conhecimento de cada um deles.


Ficou interessado em participar do SP Stars? Acesse o site http://www.spstars.co/#sp-stars e saiba mais!

terça-feira, 4 de abril de 2017

Compreender o cliente para faturar

Por Sýndreams

No terceiro Café com Informação, realizado pela Incubadora de Empresas José João Sans, Sandra Elisabeth e Nivaldo Silva reforçaram a  importância de compreender o cliente para faturar.

Para discutir o cenário empreendedor mundial e como compreender o cliente em seu todo, a Incubadora de Empresas José João Sans realizou em parceria com a Sýndreams e com a myBguide, o terceiro Café com Informação.

Este encontro contou com a participação dos empreendedores incubados e demais empresários da cidade e tratou principalmente dos assuntos Empreendedorismo e Canvas.

Sandra Elisabeth
Para falar sobre o tema Empreendedorismo, a mentora da Sýndreams Sandra Elisabeth, frisou as características dos empreendedores e ofereceu uma visão geral de quem são os empreendedores brasileiros, bem como é o compreendido o empreendedorismo mundo a fora.

Nivaldo Silva
Já Nivaldo Silva, da empresa myBguide, apresentou a importância de se ter um modelo de negócios validado e de se atentar ao que o cliente efetivamente deseja.


Para finalizar os empreendedores participaram de um momento de networking onde puderam trocar cartões e tirar dúvidas com os palestrantes.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Sócia-Diretora da Sýndreams Aceleradora de Empresas e Startups realizou palestra na Faculdade Dom Bosco em Piracicaba

Por Sýndreams


O coordenador dos cursos de Administração e Recursos Humanos Antônio Ivan – da Faculdade Dom Bosco reuniu estudantes das disciplinas de empreendedorismo para conhecerem mais sobre o assunto.
Com o objetivo de instigar o empreendedorismo nos alunos, foi realizado, no dia 22 de março, a palestra Startups, Aceleradoras e Investidores Anjos.

No encontro, realizado na Sala Multimídia do Campus Dom Bosco, a sócia-diretora da Sýndreams Aceleradora de Empresas e Startups, Sandra Elisabeth, falou sobre os conceitos de Startups, as diferenças entre Aceleradoras e Incubadoras. Reforçou ainda a importância de uma equipe eficiente e dinâmica, que se complementem.

Sandra Elisabeth também explicou como funciona o Investimento Anjo no Brasil e deu algumas dicas sobre como consegui-lo.

Confira abaixo as fotos da palestra!


Prof. Antônio Ivan

Sandra Elisabeth durante a palestra

Sandra Elisabeth durante a palestra

Sandra Elisabeth durante a palestra

Sandra Elisabeth e Prof. Antônio Ivan


terça-feira, 21 de março de 2017

Palestra apresenta como inovar e superar a crise

Por Sýndreams

“Inovar deixou de ser diferencial e passou a ser obrigação!”. Foi assim que Sandra Elisabeth, mentora da Sýndreams deu início à palestra “Criando na crise”, na noite da última terça-feira dia 14/03, no Event Empretecos de Americana que aconteceu no SENAI da mesma cidade. A palestrante apresentou os principais conceitos e mostrou como uma boa ideia, aliada ao conhecimento do que o cliente precisa, pode gerar produtos e serviços inovadores.


De acordo com dados apresentados na palestra, a inovação deixou de ser responsabilidade única e exclusiva do setor de P&D e passou a ser obrigação da empresa como um todo.

“Inovação é basicamente a exploração com sucesso de novas ideias. E para garantir que as novas ideias gerarão retorno financeiro, se faz necessário validá-la no mercado. Por isso não dá para falar de inovação sem falar de Lean Startup e MVP”, enfatizou Sandra Elisabeth, que acredita que a tecnologia está acelerando as coisas.


“Quando falamos em inovação de modelo de negócios, isto pode representar uma oportunidade no mercado. Atualmente, as empresas e pessoas que tenham ideias inovadoras podem contar com uma ampla cadeia de entidades e instituições que apoiam estas iniciativas, como o PIPE da FAPESP, por exemplo”, explicou.


Entre os diferenciais, para que as empresas se destaquem como inovadoras; Sandra Elisabeth reforçou que o mercado necessita de empresas que conheçam bem as necessidades de seu público-alvo. “O mercado está carente de empresas que saibam o que seus clientes realmente precisam. É bom ficar atento aos novos padrões de consumo que estão surgindo e sendo redefinidos constantemente no mercado”, destacou.

terça-feira, 14 de março de 2017

Mais um grande mito sobre empreendedorismo:

Engenheiros não sabem empreender...

Por Sandra Elisabeth


É interessante ouvir os paradigmas sobre empreender… A última que ouvi é que os engenheiros que resolvem empreender quebram nos primeiros 2 anos, e que isso só não acontece se eles forem estudar administração…

É claro que saber administrar é importantíssimo, porém é necessário compreender qual é a vocação desse engenheiro, o que ele gosta de fazer ou o que ele faz de melhor???

Dizer que a empresa quebrou porque ele não soube gerir é simples, mas será que foi a gestão ou foi a ausência de inovação no produto ou serviço entregue?


O que eu faria se fosse um engenheiro desejando empreender e tivesse dificuldade em gerir??? Simples, encontraria um sócio que gostasse de administrar, que fosse um administrador “nato”.



Assim eu poderia focar naquilo que realmente gosto! Desenvolver um ótimo produto ou serviço, inovador e que atendesse as necessidades e desejos dos clientes e a parte “chata” ou “burocrática” deixaria para meu sócio administrador!

Pronto! Problema resolvido!

Porque criar tantos entraves e dúvidas na cabeça das pessoas sobre a dificuldade de empreender? Todos sabemos que não é fácil, porém não é impossível.

E um recado para os engenheiros: 90% das Startups são criadas por ENGENHEIROS. Em todos os eventos de Startups a maior parte dos participantes são engenheiros, nas reuniões com associações empresariais que participo, a maioria dos empresários são engenheiros… Então não sei de onde tiraram a informação que os engenheiros que resolvem empreender quebram nos primeiros 2 anos!!!!! De qualquer forma, fica a dica: encontre um sócio que possa te ajudar!

Boa sorte! Bons negócios!

terça-feira, 7 de março de 2017

Preciso de dinheiro para empreender?

Por Sandra Elisabeth

Recentemente um aluno me abordou afirmando que tinha muita vontade de empreender, porém que os investimentos iniciais eram muito altos e que isso o impedia de seguir em frente!

Este é mais um dos paradigmas existentes sobre empreender. Quem disse que precisamos ser milionários para construirmos uma empresa de sucesso?


Veja a história dos grandes empreendedores: Henry Ford não era milionário, porém foi o primeiro a pensar na linha de produção e produção em massa, e hoje todos conhecemos sua empresa a Ford Motors.

Muitos vão dizer que essa é a exceção, eu digo que essa é a regra.

Conheço muitas histórias de empreendedores que começaram do zero, ou do menos um... Pessoas que começaram a empreender quando perderam o emprego e não tinham dinheiro para investir.

Eu moro no interior de São Paulo, na região de Americana, um dos maiores polos têxteis do país. Na década de 90 vi muitas tecelagens fecharem devido a importação, porém vi muitos ex-funcionários, que foram mandados embora, muitos sem receber nenhum tostão (devido a situação das empresas), construírem grandes confecções e marcas de moda!

Talvez porque estes empreendedores não saíram na capa da Forbes Americana os mais jovens ainda acreditam que para começar um negócio é preciso ter dinheiro, e muito!


Concordo que estas pessoas não ficaram bilionárias ou milionárias, mas realizaram algo muito importante para elas e para a cidade onde vivem. Geram emprego, renda, pagam impostos e vivem do que construíram com muito trabalho, suor e INOVAÇÃO.

Então, para quem acredita que para empreender precisa-se de dinheiro afirmo que a experiência tem mostrado que na verdade é necessário conhecimento para inovar.


Estude, conheça seu mercado, desenvolva um bom modelo de negócios, tenha algo inovador para oferecer, acompanhe o crescimento do seu mercado... e quando você validar sua ideia, se ainda achar necessário busque um investidor anjo!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Sandra Elisabeth realiza palestra na Incubadora de Empresas “José João Sans”

Por Sýndreams


No dia 23 de fevereiro nossa mentora Sandra Elisabeth realizou a palestra Startups, Aceleradoras e Investidores Anjo na Incubadora de Empresas José João Sans de Santa Bárbara D’Oeste.

Criada em 26 de março de 2004 pela Prefeitura e hoje funcionando em parceria com a CIESP, a UNIMEP e o SEBRAE, a Incubadora de Empresas “José João Sans” tem como objetivos:
Daniel Monaro, Gestor Incubadora
e Sandra Elisabeth (Syndreams)
  • Oferecer condições para aumentar as chances de novas empresas;
  • Introduzir novas empresas no contexto socioeconômico local;
  • Desenvolver empresas competitivas;
  • Gerar novos empregos;
  • Fortalecer a economia local;
  • Formar empreendedores;
  • Promover a inovação tecnológica, através de intercâmbios com universidades, institutos e grandes empresas; e
  • Formar empreendedores sintonizados com as exigências de competitividade em uma economia globalizada.
A Incubadora de Empresa oferece aos empresários, além de infraestrutura, serviços de apoio, tais como:
  • Orientação no gerenciamento de negócios;
  • Orientação à comercialização dos produtos;
  • Orientação à exportação;
  • Gestão financeira e de custos;
  • Orientação jurídica;
  • Assessoria na busca de novas tecnologias e informações técnicas;
  • Entre outros serviços.
A estrutura da Incubadora de Empresas é composta por um imóvel dividido em módulos, que servem temporariamente às novas incubadas. Dentro de uma área comum reúne recepção, sala para secretária, sala para reuniões, instalações sanitárias, copa e cozinha. 

Os participantes rateiam entre si despesas comuns, como: energia elétrica, água, telefone, salários dos profissionais que trabalham na Incubadora na ocupação de recepcionista, mensageiro, segurança e limpeza.



Mensalmente a Incubadora de Empresas realiza o “Café com Informação”, um momento de encontro e networking entre empresas incubadas e demais empresários da região, que se reúnem para trocar experiências e discutir assuntos que são pertinentes ao ambiente de negócios.

Para o Café com Informação de fevereiro, Sandra Elisabeth foi convidada para conversar com os empresários e empreendedores sobre o que é uma Startup, o que uma Aceleradora pode fazer pelo negócio e como conseguir um investidor anjo!

Para maiores informações sobre os próximos eventos da Incubadora de Empresas basta entrar em contato pelo telefone (19) 3455-1040 ou e-mail incubadora@santabarbara.sp.gov.br

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Mentora da Sýndreams realiza workshop de Modelo de negócios pessoal

Por Sýndreams

No dia 18 de fevereiro nossa mentora Sandra Elisabeth realizou o Workshop Modelo de negócios pessoal (Business Model Canvas You) promovido pela DreamIdea.

A DreamIdea é uma empresa que tem no seu DNA a missão de, a partir da educação, inovação e tecnologia, oferecer ferramentas/conhecimento para desenvolver habilidades de profissionais inquietos, com o intuito de auxiliá-los a materializar seus ideais, e também, proporcionar as empresas soluções para direcionar e potencializar resultados.

Durante os meses de janeiro e fevereiro a DreamIdea está realizando os Cursos de Férias, com diversos workshops e palestras que tem como principal objetivo potencializar o crescimento pessoal e profissional do público envolvido.

Sandra Elisabeth (mentora da Sýndreams) e Priscila Bitencourt (Fundadora da DreamIdea)
E neste cenário, Sandra Elisabeth foi convidada a conversar com empreendedores e intraempreendedores sobre seus planos de carreira e de vida. Durante o workshop os participantes discutiram sobre o que estão fazendo hoje, porque não conseguem atingir seus objetivos, pensaram sobre as oportunidades no trabalho atual, se devem ou não trocar de emprego e outros questionamentos e dúvidas que tinham sobre seu futuro profissional e até mesmo pessoal.

O principal ponto apresentado foi o de equilibrar vida pessoal e profissional, mantendo a realização dos objetivos e das metas idealizadas.

Como resultado do workshop todos os participantes criaram seus planos de negócios pessoais, o que os deixou muito animados com relação ao futuro de suas carreiras.


As inscrições para os cursos de férias da DreamIdea terminam em 01 de abril. Ainda dá tempo de se inscrever em alguns cursos!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Porque planejar o SEU futuro?

Por Sandra Elisabeth

Simples, porque se você não planeja seu futuro, outros o farão! Para você; por você; ou pior: contra você! Assim, o melhor a fazer é você mesmo planejar seu futuro!

Talvez você ache difícil alguém planejar contra o seu futuro, porém seus concorrentes no mercado de trabalho estão pensando a todo momento como conseguir aquele cargo que você almeja, o que fazer para ter um aumento de salário antes de você e até mesmo como fazer para que você seja demitido e assumam o seu lugar!



Por isso você deve planejar, saber o caminho que vai trilhar para alcançar os seus objetivos.

O inicio do planejamento pessoal começa com o seu autoconhecimento:

          Conhecimento do que posso fazer: refere-se ao que o indivíduo sabe que é possível fazer, caso ele queira ter possibilidades razoáveis de êxito, e ao que é melhor evitar. É uma forma de autoconhecimento que impede a sub/superestimação das próprias capacidades.
          Conhecimento do que sei: em particular, do que entendo.
          Conhecimento de quem sou e de quem desejo ser: desenha a base da personalidade e da identidade do indivíduo.

Após se autoconhecer, você precisa estipular quais são suas metas, seus objetivos e então descrever o que irá fazer para alcançar cada uma delas.

Nesse período de crise em que estamos passando, você provavelmente conhece alguém que recebeu uma promoção na empresa ou encontrou um emprego melhor! Daí você pensa: Que ‘cara de sorte’... Eu diria que não é sorte é planejamento!

Esse ‘cara de sorte’ tem o que chamamos de empregabilidade, que é a condição de uma pessoa se manter sempre empregada e constantemente procurada e convidada pelas organizações do mercado.

Para se manter com uma alta empregabilidade é necessário fazer a gestão da própria carreira assumindo totalmente a responsabilidade de se atualizar e reciclar constantemente.

E para melhorar a própria empregabilidade é recomendado que o profissional de qualquer nível deva:
                1. Utilizar critérios adequados de auto avaliação permanente.
                2. Plugar-se na identificação contínua de oportunidades na empresa e fora dela.
                3. Estabelecer objetivos de carreira e um planejamento estratégico para alcançá-los.


Então, comece agora a fazer o seu planejamento estratégico. Quais são suas metas, seus objetivos? Você deseja se tornar um empreendedor de sucesso? Um CEO de uma multinacional? Não importa o tamanho de seus sonhos, para alcança-los é necessário planejar o COMO chegar lá!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Mentores da Sýndreams realizam workshop no Parque Tecnológico do Porto Digital – Recife

Por Sýndreams

No dia 03 de fevereiro os mentores da Sýndreams, Sandra Elisabeth e Stéfano Carnevalli realizaram o workshop “Desenvolvendo empresas inovadoras de moda usando Lean Startup” no Parque Tecnológico do Porto Digital.


Sandra Elisabeth
Stéfano Carnevalli
          
Este curso faz parte do IX Recife Summer School (RSS), um festival de eventos do Porto Digital nas áreas de empreendedorismo, inovação, tecnologia da informação, economia criativa e sustentabilidade, que começou em 31 de janeiro e vai até dia 24 de fevereiro.

Recepção do RSS

Este ano, o RSS contou com mais de 170 atividades, envolvendo cursos, palestras, workshops, debates e mesas redondas. É uma iniciativa que deu certo! 


O objetivo do curso realizado pelos mentores da Sýndreams foi despertar o lado inovador das empresas de moda e apresentar as oportunidades existentes neste mercado.

Participantes do Workshop
Stefano Carnevalli ressaltou bastante a importância de se inovar e que a inovação não significa apenas criar algo novo, mas principalmente compreender o que cliente precisa e atender essa necessidade que foi negligenciada pelos concorrentes.

Stéfano Carnevalli
Além do conteúdo apresentado em forma de workshop os participantes também receberam o livro “Transformando ideias em negócios lucrativos: aplicando a metodologia lean startup” dos autores Sandra Elisabeth e Robisom Calado.



A biblioteca do Porto Digital também foi presenteada com dois exemplares do mesmo livro.


Clara Arruda e Sandra Elisabeth 

O RSS está de parabéns pela iniciativa e pelo evento! Grandioso e com muito conteúdo de qualidade.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Falta de dinheiro é problema?

Por Sandra Elisabeth

É comum alguns empreendedores e empresários em um determinado momento, principalmente nos de crise, acharem que o que falta para o negócio dar certo é dinheiro.
  • Dinheiro para mais marketing (sim, porque eles nem sempre sabem a diferença entre marketing e propaganda);
  • Dinheiro para aumentar a produção;
  • Dinheiro para aumentar a equipe;
  • Dinheiro para .....                                
Não seremos hipócritas; dinheiro é sim muito importante para dar continuidade a um empreendimento, porém nem sempre a solução é apenas buscar mais dinheiro.

Precisamos compreender que o Fluxo de Caixa da empresa é apenas um registro de entrada e saída de recursos, e quando falta dinheiro nesse “registro” é um sintoma que alguma coisa está errada!


Veja: S I N T O M A, ou seja, efeito!

Isso significa que não adianta conseguir mais dinheiro com um investidor ou banco. Esse dinheiro só vai adiar a morte da empresa, caso a raiz do problema não seja descoberta.

É como uma pessoa com febre. Sabemos que essa febre é um sintoma e que é necessário que o médico descubra a causa da febre para efetuar a cura. Até que a doença seja descoberta, a pessoa pode tomar remédios para baixar a febre, porém se a causa da doença não for descoberta a febre voltará assim que o efeito do remédio passar!

Qual é o problema então em se buscar investidores ou bancos quando a empresa está com o “sintoma” de falta de recursos financeiros? O problema, é que quase sempre se esquece de procurar quais eram as causas desta falta! Assim, quando esse dinheiro acaba, o sintoma volta!



Claro que se houver folego financeiro é mais fácil para procurar a causa do problema, porque haverá mais tempo... Mas será mesmo necessário esperar faltar dinheiro para rever processos e avaliar a “saúde” da empresa?

Todos hão de concordar que quando a empresa tem dinheiro é muito mais fácil conseguir investimentos ou empréstimos. Assim, se o empreendedor percebe que há algo que precisa ser corrigido ou melhorado, ele deve o fazer imediatamente para que o problema não aumente.

Caso não consiga fazer isso sozinho, procure ajuda. Invista em conhecimento e desenvolvimento para o seu empreendimento.

Se você acha que não tem nada para melhorar, cuidado! Esse é um sintoma clássico de miopia de negócios!!!


E lembre-se, se as vendas estão ruins, não culpe a crise ou o seu concorrente. Identifique o que você pode fazer para melhorar esse cenário? Não espere acabar o dinheiro para tomar uma atitude! Como já discutimos anteriormente, quanto menos recurso financeiro mais difícil aplicar uma solução.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Como receber dinheiro dos investidores e das aceleradoras

Por Sandra Elisabeth

Ultimamente percebo que os empreendedores deixaram de saber a diferença básica entre aceleradoras, investidores e banco! Digo isso porque vários deles afirmam que ainda não possuem um MVP (Produto Mínimo Viável) e que seu maior problema é a falta de dinheiro, por isso querem ser acelerados ou receber investimento anjo!

Bom, primeiro que INVESTIDOR nem sempre investe em ideia! Eles investem em produtos! Até os investidores americanos, vistos como os menos cautelosos, investem em Startups que já tenham validado seu MVP.


Assim, quando um empreendedor afirma que NÃO TEM MVP, seu maior problema é não ter tirado a ideia do papel ainda! É lógica!

O papel da aceleradora nesse cenário é acelerar o feedback do mercado sobre o MVP, ou seja, desenvolver clientes para a Startup testar e validar sua ideia, e depois disso (sabendo se o mercado quer mesmo comprar o produto) apresentar investidores anjo para o empreendimento.

Lembrando ainda, que os investidores brasileiros, só investem em “ideias” que já estão faturando! E como ideia não vende... Nossos empreendedores precisam ter um MVP rodando no mercado.

É claro que não precisa de um faturamento astronômico, mas é preciso que se tenha um indicativo de crescimento de vendas para ser interessante para nossos investidores nacionais!

Felizmente ou infelizmente essa é a NOSSA realidade!

É claro que tem empreendedor dizendo que precisa de alguns milhões de reais (ou até de dólares) para desenvolver um MVP.

Vamos fazer um exercício de compreensão: imagine que você vai comprar um carro. Você efetiva a compra sem saber qual é a marca, valor médio de revisão e peças, quanto consome de combustível, se tem alguma pendência de multa, antes de levar em um mecânico de sua confiança, e as vezes, se mulher, pedir ajuda ao pai ou namorado? NÃO!!! Pois bem! Estamos falando de um carro... Todo mundo sabe o que é, como funciona, etc. Porém, sem essas informações básicas ninguém compra um carro!

E como você acha que o investidor ou aceleradora se sentem quando um empreendedor pede dinheiro sem se quer ter validado seu produto no mercado?

Isso tudo porque INVESTIMENTO não é EMPRÉSTIMO! No Investimento se o negócio quebrar ou não der certo o investidor perde dinheiro, muito mais que o empreendedor! Quando falamos de Empréstimo o banco vai cobrar os sócios, mesmo que o empreendimento tenha falhado... Neste caso, o banco não perde nada e ainda ganha muito quando as parcelas do empréstimo ficam atrasadas, só o empreendedor perde!

Investimento não é dinheiro fácil e de livre uso! É um dinheiro “carimbado”, o investidor vai cobrar aquilo que foi combinado ser feito e os resultados prometidos!

Sei que as vezes é necessário recursos financeiros para elaboração do MVP e o ideal é que o empreendedor se informe sobre os programas de fomento a inovação e empreendedorismo de seu estado, em São Paulo, por exemplo, a FAPESP tem o PIPE (inserir link do artigo) que fomenta a inovação através de investimentos a fundo perdido.


Então caros empreendedores! Peçam networking, peçam ajuda para tirar a ideia do papel, peçam conhecimento, só assim terão dinheiro de um investidor ou de uma aceleradora!